Postagens

Mostrando postagens de 2009

MORTE PARCIAL

Esta manhã cometi suicídio. Procurei outros meios menos dramáticos para sair da emboscada, mas não encontrei. Teria que ser assim. Minha existência ora turbulenta e desordenada, ora bela e inconstante. O destino parecia golpear-me iminentimente. Estaria me tornando a plateia do meu próprio show... um show sem vida, sem entusiasmo, sem cor. Este ser inumano permaneceu durante anos enclausurado no meu íntimo. Feria, desanimava e zombava irresponsavelmente do que ainda supostamente permanecia intacto. Resolvido o problema... o matei! O alívio foi imediato. Eu saberia que no anonimato das minhas postagens a vida continuaria sendo um show à parte de persistência, de tolerância, de compreensão. O verdadeiro cerne despontaria para uma nova vida!

SEM TÍTULO

A noite parecia interminável. O vazio obstinava-se em permanecer impedindo a expressão da razão. O medo se aproximava criando um muro interminável de lamentação e angústia irremediável. Aquele homem desolado sentia o vazio que povoava o deserto de suas emoções corrompidas. Seu grande desejo: gritar. A demão seria um consolo irrecusável. Ele sabia que seu grito ecoaria por todos os cantos, no entanto, seu esforço seria inútil, afinal, o silêncio seria fatal para a reorganização dos sentimentos perniciosos, que o colocaria numa condição permissível para encontrar a solução tão almejada.
Ele permaneceria, por longo tempo, na escuridão de sentimentos insípidos.

DESIGNAÇÃO PESSOAL

Desejos que gritam no íntimo de afã
visão límpida que debela o breu
a busca interminável da calmaria se faz
é ver Deus em tudo e promover a paz!

Compreender o caminho e sorrir
velejar em mar aberto e partir
sentir a brisa da ousadia na ignorância
erigir sem covardia na infância!

O viço do ser que transforma e eleva
a magnitude da esperança que transporta e acerca
na ternura e simplicidade que acopla e reluz
nos esforços laureados de paz e de luz!

DESEJO

Nesse entrelace de desejos afins:


deslizar no seu corpo suntuoso
sentir o calor dos seus lábios
mergulhar no seu olhar libertino
adentrar em seus pensamentos
como mera expectadora
sentir a salina natural expelida

é emergir em mim a ninfa
fascinante, bela e atraente
que adormecia em profundas bifurcações
agora borbulha no infindo mar e renasce
com toda a sua glória e vivacidade.

CREPÚSCULO III

Meu corpo se fragmenta
sinto as moléculas desconectadas
resvalam pela atmosfera
num suspiro de contemplação
unam-se a outros corpos
saúdam a transição patente
a estrela maior, ao seu tempo,
retira-se
compondo um axioma audaz
agora, as moléculas rarefeitas
retornam comprimidas ao meu
corpo
silenciosas e regozijadas.

SEM TÍTULO

Imagem
Poema de Victória Rosa

Se o mundo fosse só paz
a guerra não moraria aqui
se tudo fosse querido
a vida existiria aí
se as flores crescessem mais rápido
os passarinhos já estariam aqui
se o coração de todo mundo fosse maior
o amor pela vida seria melhor!

Victória Rosa de 11 anos estudante da 5ª série escreve regularmente desde os 08 anos de idade. Eis uma pequena amostra. Avante Victória!

AUTORRETRATO

Um encontro irremediável
vários eus conferenciavam
verbos eloquentes expelidos
resultados apresentavam decisivos
comentários debochados surgiam
incertezas, fugas, temores?
campo baldio de vivências desconexas
aparentemente, por fim
os diversos eus receberam a diadema.

SEM TÍTULO

Psiu! Silêncio!
Vejo alvoroço nos olhares
fagulhas nas tempestades
inverno nas sombras recalcadas
rebuliço com cores vibrantes
a ribalta do cenário infante
a textura ora espessa, ora delgada
um minuto de silêncio!

DESCOBERTA II

É uma prisão violenta
que me tranca inteira
tenho sede, tenho fome
perscruto, investigo, percorro
e o que mais me impressiona
é a sensação de liberdade
quando a busca do conhecimento
se intensifica.

DESCOBERTA

Quero tirar a capa que reveste meu corpo
desnudar o apetite que emerge
raspar todo resquício de impotência
e dominar o verdadeiro eu.

DIVAGAÇÃO

O olhar fugaz perecia,
na tormenta noite que surgia
visão entorpecida e flagelada
envolvia-o a madrugada!

Lembrava-se da fidalguia e chorava
perseguido por inimigos letrados
inconformados... desesperados
atraiçoados pela conduta errada!

Faxina mental merecia
estruturar ideias de alegria
solucionar o dissolúvel
sair daquela energia!

VAZIO

O vazio preenche minha alma
percorre meu corpo
desagua na minha mente
permeia meu espírito
e urge na totalidade do meu ser.

A DOR

Como você incomoda!
A dor que isola
a dor que assola
a dor que tormenta
Como você incomoda!
A dor que amola
a dor que assombra
a dor que anula
Como você incomoda!
Dor invisível
dor sensível
dor perecível
Como você incomoda!
Onde você se aloja?
como essa dor é sofrida
Ah...que dor doída!

EDUCAR É...

A educação brasileira há tempos vem apresentando vários problemas, desde o investimento orçamentário governamental e administrativo até a formação do próprio acadêmico que se transformará num profissional da educação. A educação sendo um dos setores mais importantes para o desenvolvimento, crescimento e evolução do ser, e por conseguinte de uma nação, precisa de soluções mais concretas que viabilizem a estrutura, alicerçando principalmente o ensino básico e o fundamental. Infelizmente, o que se apresenta nas diversas escolas, tanto públicas como privadas, é a má formação de profissionais, sem o devido tino para exercer função tão encantadora. O questionamento a seguir, se faz necessário para que se possa entender melhor o processo em questão. Quais parâmetros um educador utiliza, num curto período de tempo, para julgar o aluno quanto a sua responsabilidade? Há como mensurar o quão responsável uma criança é numa sala de aula? Talvez através de alguns indicadores referentes às assiduida…

SUTILEZA

Ah! Como é bom compreender
a chance que tenho de ver
a oportunidade de tecer
a peripécia de fazer
algo de novo e crescer!

Ah! Como é bom permitir
ampliar o horizonte e sorrir
devotar a mim e a ti
ternuras, delícias... Afins!

Ah! Como é bom perceber
o quanto vale viver
a leveza do bem e sentir
a emoção de se esvair!

Ah! Como é bom libertar
emoções contidas no olhar
o júbilo de poder voar
atravessar fronteiras e calar,
apenas analisar
a proeza infinda do que é amar!

ELE

Olhar esmeralda
constelação luminosa
olhar juvenil
soberano, viril!
Seu olhar fala
seu olhar deseja,
há algo por trás
desse olhar que almeja!
Perco os sentidos
crio atritos
pensamentos evasivos
nos olhares que se cruzam
as pernas vibram
as palavras titubeiam
timidamente me envolvo
num agito sem censura
falta-me o ar,
me encho de ternura!
O coração se anima
e muito palpita
a mira do olhar comunga
minha tristeza se anula
saborear contigo essa delícia
com total euforia
seus lábios molhados
de pura doçura!

BATALHAS DO EGO

Sinto-me perto às vezes de um surto psicótico, proveniente da má compreensão da vida que por ora se encontra apática e nebulosa, embolando os meus neurônios e impedindo-os de uma conexão sadia e próspera. Percebo que a lucidez e a serenidade diluem as vicissitudes, porém a sandice insiste em dasafiar com ousadia o ego camuflador e sabotador coibindo a capacidade de estar, pensar e agir. A rusga interna passa a ser constante. A preocupação na superação é enlouquecedora. Colocar em prática o "conheça-te a ti mesmo" é nadar contra a maré com persistência. A máxima supracitada do antigo filósofo denota uma viagem interior que é a porta libertadora que nos faz crescer intelectualmente, explanar, calar-nos no momento certo e de obter uma visão diferenciada sobre nós mesmos. Encontro apenas uma única objeção: a porta está emperrada, sua fechadura e chave são de ouro maciço. Como pode estar emperrada? Preciso fazer uma interiorização mais aprofundada... Outra condição favorável quand…

GOROROBA

Sua feiura impressiona
pastosa visão se apresenta
destoante geléia impulgna
na galeria do sabor que alenta!

Da náusea que assola
para a surpresa da sobremesa
mesclados de cacau com goiabada
e purê de batata com polenta!

Degustar a ânsia que sorri
com seu fragrante intenso
que a confusão perceba entre si
o delicioso sentido do gosto
vatapá, carurú e xinxim!

O ÚLTIMO ADEUS

Cinco minutos. Pouco tempo para a partida indesejada. Por que passaria por esse tormento? Ver a filha partir - mesmo sabendo que se tratava de uma proposta de trabalho irrecusável para atuar fora do país - mesmo assim, ainda era seu bebê. Embora atingisse a maioridade há seis anos, desatar esse laço seria como arrancar parte do seu corpo, e seu coração estava completamente dilacerado. Todavia, a filha sempre afável e gentil, compreendendo a aflição da genitora, suavizava com palavras de amor e afeto propiciando últimos instantes de harmonia e descontração. Não obteve muito sucesso! A mãe inconsolável despede-se da filha. Sorriso estampado no rosto da filha como se estivesse partindo para o sucesso, a glória, a libertação. As lágrimas no rosto da mãe denotando um sofrimento piedoso, de perda, de martírio; uma sensação de que jamais a veria novamente. Último olhar, último sorriso!
Horas após o embarque, uma pane, últimas lembranças, o olhar e o sorriso estavam vivos e permaneceriam.
A fil…

SORAYA DÔRA

Era uma tarde de verão. Embora algumas nuvens forrassem o céu, o mormaço era predominante. Todos buscavam o frescor das sombras. Soraya Dôra precisava de silêncio interior, a introspecção nesse momento tão turbulento seria o mais sensato, afinal, agir por impulso jamais fora sua conduta. O mar seria o lugar para as suas reflexões, ele acalmava e trazia a paz desejada. Resolveu partir, e seguiu para uma praia distante, não queria correr o risco de encontrar alguém conhecido. Insegurança e solidão, sempre estiveram muito presentes na sua vida. Controlar aspectos marcantes de sua personalidade era um suplício, entretanto, teria de ter a coragem para encará-los. Já na praia, seus pensamentos a princípio sem segmentos começam a se dispersar. A tranqüilidade parecia tomar forma. A brisa oxigenava seus pensamentos que por vezes a asfixiava; as ondas com seus movimentos cíclicos esmiuçavam sentimentos salutares; os banhistas com desejos e sentimentos atrozes ou não, comungavam das mesmas aleg…

CLIMATÉRIO

Fase loba, fase quarenta
conturbada, imprevisível
sonolenta, impaciente
feroz e indolente!


Fase doida, fase amada
há confusões na teoria
que contradizem na prática
estimula o desejo alheio
excita o outro por inteiro!


Não imagina o que se passa
há amarguras, há alegrias
que fase maltratada,
que fase alienada,
que fase descarada!


Fase desfigurada,
formatada de forma errada
quando deita a insônia instala
quando acorda o sono paira!


É a fase tão desejada
chamada de loba, que nada
experiências acumuladas?
Talvez!
Metabolicamente transformada!


Mitos e delitos profanam
apetites sonegados
de uma cultura internalizada
que o amor valha mais nada!

VIVER

Mistério doloroso
mistério saboroso
grandeza inspiradora
solucionável... temorável
loucura que se instala
ternura que inala
opostos que se aglutinam
urgem... silenciam
entender essa demência?
melhor permanecer na redondeza!

RENASCER

Devo morrer na via imaginária da ilusão,
Construir aos poucos com nova liga de emoção,
Reviver na simples troca da fusão
Desejos que excitam a imaginação!

Na teia construída pelas minhas mãos,
Descobrir tão frágeis e fúteis vácuos de ebulição
Seguir em frente... Ora pela razão,
Com fôlego e pura determinação!

Balbuciar sem exagero o que pede o coração,
Com aquela que sempre estende a mão,
Controlando a fúria que exala no sentir,
Para o amor postergar no ir e vir!

Quero gritar sem ouvir a própria voz
O eco que expande no espaço sem nós,
Na velocidade que a luz percorre e traz,
Elucidando a harmonia e aflorando a paz!