CAMPO MINADO




Alforria destilada
diversos eus
na encruzilhada

Celeuma intrigante
faz de mim
um viajante

A carapuça veste
na parede crua
reveste

Saliências depuradas
eu comigo
nas madrugadas

Meu silêncio grita
dum urgir sentido
na Palestina

Ouço o riso triste
sei que é meu
e se eu partisse?

Fuga descabida
o mover das águas
Heráclito já o dizia

Verbos insanos
sopro calado
invado os oceanos

E neste campo minado
discorrem girassóis
é meu legado







IMAGENS LIVRES Disponível em . < cova-do-urso.blogspot.com  > . Acesso em 15/11/2015

Comentários

Antonio Batalha disse…
Ao passar pela net afim de encontrar novos amigos e divulgar o meu blog, me deparei com o seu que muito admiro e lhe dou os parabéns, pois é daqueles blogs que gostaria que fizesse parte de meus amigos virtuais.
Pois se desejar visite o Peregrino E Servo. Leia alguma coisa e se gostar siga, Saiba porém que sempre vou retribuir seguindo também o seu blog.
Minhas cordiais saudações, e um obrigado.
António Batalha.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/
Claro, Antonio!
Seja muito bem-vindo! Visitarei o seu blog sim, com prazer.

Um abraço!

Postagens mais visitadas deste blog

OUTONO

19

DOLORIDA