SOLITUDE



Subo no mais alto dos monte, e lá permaneço
Vejo todas as minhas emoções passarem diante de mim
Vejo meus medos serem alçados e destruídos
Os vejo também renascerem e serem possuídos
É um ir e vir, num verdadeiro devir
Na minha mente tumultuada de percalços, silencio
Respiro
Lágrimas brotam
Temores e súbitos se antagonizam
No meu existir longínquo, caracterizo-me nas minhas errâncias
E nesta condição enxergo o estado de inquietude
Ressurjo como labaredas. 









IMAGENS LIVRES Disponível em: . < www.assombrado.com.br> . Acessado em: 26 de novembro de 2014, 17h00min

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A TROCA

19

VIAGEM